Equilíbrio entre arquitetura e natureza

By | 2020-12-11T18:26:05+00:00 11/12/2020|Categories: Sem categoria|0 Comments

Como mencionado no texto anterior, a natureza sempre esteve aqui e, desta forma, as obras desenvolvidas por seres humanos, a princípio, deveriam respeitá-la. A proposta de equilíbrio entre homem e meio ambiente pode ser colocada em prática de diversas formas – seja utilizando elementos naturais como peça-chave da composição, explorando sua força e beleza única, ou até mesmo seguindo técnicas e leis que protejam o ecossistema, independente de um padrão estético ou de uma idealização artística.

Por mais que respeito e a adaptação à natureza possam soar como uma característica básica de um projeto arquitetônico, é possível observar como modificações do homem são responsáveis por grandes estragos ambientais. Para evitar a degradação da vida natural, existem órgãos voltados para sua proteção, como o Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do estado de São Paulo) e o Conpresp (Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico), que, dentre suas atividades, englobam a defesa de áreas naturais.

Manter ao máximo a estrutura natural de um terreno salva espécies, afinal, a natureza é casa de diversos seres vivos e mudanças drásticas podem causar impactos mais drásticos ainda. Considerar a natureza como aliada e respeitá-la é essencial em uma obra arquitetônica.

Uma prática comum de preservação de árvores é mantê-las e uni-las ao projeto. Esta junção pode ser realizada das mais diversas formas. Composições deste tipo deixam claro como, além de respeitar a natureza, integrá-la com o ambiente garante à mesma uma beleza que não poderia ser alcançada de nenhuma outra forma. O projeto “Casa da Árvore” exposto na CASACOR SP em 2018 e desenvolvido pelo Suite Arquitetos, exemplifica como uma árvore pode participar de forma harmoniosa no ambiente e trazer vida para o projeto.

 

A integração com árvores é objeto de estudo para muitos arquitetos, como é o caso desta casa criada pela Mason Architecs, que cria uma experiência acima da sustentabilidade, da tecnologia e da beleza natural. O projeto gira em torno – figurativa e literalmente – da árvore.

 

Grandes construções –  como rodovias – podem ser planejadas considerando a vida animal (criando um espaço para que animais não corram risco de sofrer atropelamentos), cursos de água e vegetação.

 

Um exemplo interessante de obra arquitetônica que além de apresentar um formato belo e inusitado, respeita o contexto em que está inserido é a Ponte de Laguna Garzón, desenvolvida por Rafael Viñoly. O arquiteto decidiu que criaria uma obra que fizesse o motorista desacelerar e contemplar a paisagem. A ponte está localizada em uma lagoa costeira ecologicamente protegida no Uruguai, e seu formato garante que o espaço como um todo seja respeitado.

 

Esta atenção com a natureza é um caminho que apresenta benefícios para os dois lados – a natureza é respeitada e preservada e o próprio projeto se torna mais poderoso, pois mantém o equilíbrio com o que o cerca e aproveita todas as vantagens que a fauna e a flora podem oferecer.

Respeitar a força da natureza é de grande sabedoria.